A depressão gera o aumento de peso ou é o sobrepeso que causa tristeza e apatia profundas? A resposta não é simples, mas o fato é que existe uma relação causal e cíclica entre essas duas enfermidades, pois, o excesso de peso aumenta o risco de depressão, assim como o desequilíbrio emocional pode ser o gatilho para a compulsão e a obesidade.
A depressão se caracteriza por uma tristeza profunda e duradoura, associada a alterações de humor, perda de interesse e até dores físicas.  Já a obesidade é um distúrbio que contribui para o desenvolvimento de várias doenças metabólicas e cardiovasculares.  Muitas vezes, as dietas para perda de peso ou no caso, a privação dos alimentos, levam as pessoas a se sentirem mais deprimidas. Ainda, pode trazer sintomas como compulsão ou aumento de apetite, o que gera frustação, arrependimento (de comer demais) e baixa autoestima. Por outro lado, a depressão aumenta a circulação do cortisol – que promove o acúmulo de gordura na região abdominal – e reduz a produção de serotonina e noradrenalina – o que aumenta a fome por açúcares e carboidratos. Ou seja, é um ciclo sem fim!
Por isso, é importante uma proposta terapêutica que promova a perda de peso e a manutenção do metabolismo de neurotransmissores relacionados ao controle do humor, além do acompanhamento psicológico.